Estamos em processo de atualização e reindexação dos registros de ocorrência. O sistema apresentará flutuações no número de registros.
Qualquer dúvida entrar em contato pelo e-mail atendimento_sibbr@rnp.br.

nó brasileiro do GBIF SiBBr
List name
Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial - Plantas para o Futuro - Região Norte
Owner
sibbr.brasil@gmail.com
List type
Species characters list
Description
O livro, disponibilizado no formato de lista, apresenta mais de 150 espécies nativas da Região Norte com valor econômico atual ou com potencial e que podem ser usadas de forma sustentável na produção de medicamentos, alimentos, aromas, condimentos, corantes, fibras, forragens como gramas e leguminosas, óleos e ornamentos. Entre os exemplos estão fibras que podem ser usadas em automóveis, corantes naturais para a indústria têxtil e alimentícias e fontes riquíssimas de vitaminas. Produzido pelo Ministério do Meio Ambiente o livro contou com a colaboração e o esforço de 147 renomados especialistas de universidades, instituições de pesquisa, empresas e ONGs do Brasil e do exterior. Por meio da disponibilização dessa obra no formato de lista, os usuários podem realizar filtros diversos, obter os registros das espécies disponíveis na plataforma, além de outras informações. Instituição publicadora: Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Biodiversidade. Nome Completo do Responsável: Lidio Coradin, Julcéia Camillo e Ima Célia Guimarães Vieira. – Brasília, DF: MMA, 2022. Licença de uso: Licença de uso público com atribuição sem fins lucrativos (CC-BY-NC) Como citar: CORADIN, Lidio; CAMILLO, Julcéia; VIEIRA, Ima Célia Guimarães (Ed.). Espécies nativas da flora brasileira de valor econômico atual ou potencial: plantas para o futuro: região Norte. Brasília, DF: MMA, 2022. (Série Biodiversidade; 53). 1452p. Disponível em: . Acesso em: dia mês abreviado ano (sem virgula)
URL
https://www.gov.br/mma/pt-br/assuntos/biodiversidade/manejo-euso-sustentavel/flora
Date submitted
2022-08-30
Last Update
2022-08-30
Is private
No
Included in species pages
Yes
Authoritative
No
Invasive
No
Threatened
No
Part of the sensitive data service
No
Region
Not provided
Metadata Link
https://collectory.sibbr.gov.br/collectory/public/show/drt1661896856710

3 Number of Taxa

3 Distinct Species

Refine results

thumbnail species image
Ananas lucidus
Ananas lucidus Mill.
 
thumbnail species image
Ananas ananassoides
Ananas ananassoides (Baker) L.B.Sm.
 
thumbnail species image
Guzmania lingulata
Guzmania lingulata (L.) Mez
 
Action Supplied Name Scientific Name (matched) Image Author (matched) Common Name (matched) Familia Nome popular Grupo kingdom Descricão taxonômica Importância ecológica Distribuição Fonte das informações
Ananas lucidus Mill. Ananas lucidus Mill.
Bromeliaceae
Curauá
Fibrosas
Plantae
Planta herbácea, com sistema radicular fasciculado e superficial e altura de até 1,5m de comprimento; folhas lanceadas, de coloração verde ou avermelhada; ápice atenuado, mucronado, margens lisas, serrilhada ou serrada; fibrosas e com pouca mucilagem. Especificamente, no curauá, as folhas são predominantemente de bordos lisos até a completa maturidade das plantas, quando surgem vários espinhos nas laterais. Inflorescências de coloração entre avermelhada ou rosada ; coroa de bráctea estéril presente; de formato globoso ou oblongo-elíptico; as flores apresentam brácteas florais conspícuas maiores que o ovário; pétala lineares de coloração lilás ou rósea, com ápice agudo e apêndices presentes; sépalas ovais com ápice agudo e coloração verde ou avermelhada. O fruto é sincárpico pouco suculento, com pedúnculo na forma de haste cilíndrica, medindo cerca de 20cm de comprimento. Ao redor da base e da coroa do fruto surgem abundantes brotações (Ledo, 1967; Flora do Brasil, 2018).
O curauá é capaz de se desenvolver em solos pobres, arenosos e areno-argilosos. De acordo com Cordeiro (2007), a planta suporta níveis de sombreamento que varia entre 50% a 75%, apresentando inclusive melhor desenvolvimento de folhas.
De acordo com a Flora do Brasil (2018) A. lucidus é planta nativa, não endêmica do Brasil, com distribuição também em outros países de clima tropical no Continente Americano. No Brasil, ocorre nas regiões Norte (Amazonas, Amapá, Pará, Roraima), Nordeste (Bahia, Ceará) e Sudeste (São Paulo)
Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial: Plantas para o Futuro - Região Norte Lidio Coradin; Julcéia Camillo; Ima Célia Guimaráes Viera. Brasília: MMA, 2022. 1454 p ISBN 978-65-88265-16-77
Ananas ananassoides (Baker) L.B.Sm. Ananas ananassoides (Baker) L.B.Sm.
Bromeliaceae
Abacaxi-ornamental
Ornamentais
Plantae
Planta terrícola, com aproximadamente 55cm de altura. Roseta não formando cisterna. Folhas coriáceas, patentes com ápice recurvado; bainha com 9×3,5cm, estreito-oblonga, margem aculeada na porção distal; lâmina com 100×2,5cm, linear, ápice atenuado, margem aculeada. Inflorescência simples, congesta; pedúnculo com 40cm de comprimento, lepidoto; brácteas do pedúnculo róseas, maiores que os entrenós, semelhantes às lâminas foliares, 11-53×1-1,3cm, patentes, lanceoladas a elípticas, ápice atenuado, margem aculeada, lepidotas; brácteas de primeira ordem muito reduzidas, semelhantes as brácteas florais; brácteas florais 1-1,4×0,4-0,6cm, lanceoladas, ápice atenuado, margem aculeada, lepidotas. Flores polísticas, sésseis; sépalas 3-4×0,5-0,7cm, assimétricas, largo-ovais, conatas na base, ápice emarginado, densamente alvo-lanuginosas; pétalas 1,1-1,3×0,3-0,4cm, eretas, cuculadas, alvas com ápice lilás; estames inclusos, aproximadamente 1cm de comprimento, alvo-amarelados; estigma incluso, 2mm de comprimento; estilete com 1cm de comprimento; ovário 5mm de comprimento, glabro. Infrutescência 4-4,6cm de comprimento , amarelo-esverdeada.
As flores de A. ananassoides possuem pétalas firmemente sobrepostas formando um tubo de cerca de 20mm de comprimento, desde o ápice da corola até a região onde ocorre acúmulo de néctar. A abertura floral inicia entre 03:30h e 04:00h e finaliza por volta das 06:00h, quando os lobos da corola se encontram completamente curvados para fora. A antese tem duração de, aproximadamente, 12 horas e, no final do dia, por volta das 17:00h, os ápices apresentam-se torcidos no centro da corola, impossibilitando completamente o acesso ao interior do tubo. A. ananassoides tem ampla guilda de visitantes florais, incluindo representantes de diversos grupos, tais como Hymenoptera, Lepidoptera e Trochilidae, indicando que esta espécie é uma importante fonte de recurso para a fauna associada. Moscas e formigas podem ser encontradas sobre as inflorescências em todos os períodos do dia, e acredita-se que sejam atraídas pelo odor adocicado liberado pela planta e que se alimentem de secreções líquidas e gelatinosas observadas na superfície da inflorescência. Abelhas pequenas(Trigona spinipes e Plebeia droryana) também são visitantes florais de A. ananassoides, desde o amanhecer até o entardecer, sendo especialmente frequentes nos períodos mais quentes do dia. Além disso, beija-flores (Phaethornis pretrei e Chlorostilbon aureoventris) foram identificados como polinizadores legítimos (Barbosa-Filho; Araújo, 2007).
Esta espécie é nativa do Brasil, mas não endêmica. É amplamente cultivada nos trópicos, com ocorrência confirmada nas regiões Norte (Amazonas, Amapá, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins), Nordeste (Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí), Centro-Oeste (Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso), Sudeste (Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo) e Sul (Paraná, Santa Catarina) (Flora do Brasil, 2017; Monteiro, 2020).
Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial: Plantas para o Futuro - Região Norte Lidio Coradin; Julcéia Camillo; Ima Célia Guimaráes Viera. Brasília: MMA, 2022. 1454 p ISBN 978-65-88265-16-139
Guzmania lingulata (L.) Mez Guzmania lingulata (L.) Mez
Bromeliaceae
Estrela-escarlate
Ornamentais
Plantae
Bromélia terrestre ou epífita, herbácea, acaulescente, 20-30cm de altura, perene . Folhas numerosas, largas, textura coriácea, de 25- 50cm comprimento, 15-30cm de largura, formato linear e liguladas, dispostas em densa roseta. Bractéolas eretas, densamente imbricadas, a inferior foliácea, a superior lanceolada, verde ou vermelha, formando um invólucro cupuliforme abaixo da inflorescência. Inflorescência apical, simples, densamente florida, 10-50 flores, corimbiforme, 7cm largura, com uma substância mucilaginosa em seu interior; inflorescência formada por brácteas verdes ou vermelhas , de formato lanceolado, linear, ou acuminada-aguda, mais longas que as sépalas; as brácteas superiores são vermelhas e expandidas, envolvendo as flores tubulares brancas presentes em um longo escapo floral (Reitz, 1983). Flores andróginas, pediceladas; sépalas livres, lineares, obtuso-arredondadas, 1,5-2cm comprimento, glaras; corola branca, lineares, lóbulos obtuso-arredondados; estames adnados as pétalas; ovário elipsoide. Cápsula oblongo-elipsóide ou subelipsóide, 2,8-3,5cm comprimento, 3cm de largura. Sementes de cor marrom-avermelhado (Llamozas et al., 2003; Cedeño-Maldonado, 2005).
Cultivada principalmente em vasos preenchidos com extrato leve e permeável a base de fibras de coco e húmus, mantidos em locais abrigados com luz indireta ou difusa (Lorenzi, 1999; 2013). Deve receber água em abundância, porém o substrato precisa ser bem drenado para não encharcar, a fim de permitir que o ar alcance as raízes, uma vez que estas precisam de ar úmido para se desenvolver. Durante o verão a planta deve ser mantida com água em seu centro e, no inverno, deve ser mantida mais seca e com um pouco de fertilizante diluído na água (Mobot, 2009). São registradas três variedades naturais na espécie: Guzmania lingulata (L.) Mez var. lingulata, Guzmania lingulata var. minor (Mez) L.B.Sm. & Pittendr., Guzmania lingulata var. splendens (G.Planch.) Mez, com diferenças na coloração e formato das folhas (Flora do Brasil, 2017). De acordo com Siqueira-Filho (2003), a espécie não apresenta uma cor predominante nas flores, mas um conjunto representado pelo vermelho e amarelo nas brácteas florais ou na inflorescência, aumentando a sinalização para os polinizadores, principalmente beija-flores, confirmando a predominância do vermelho em plantas ornitófilas.
Guzmania lingulata é originária da América tropical, com distribuição na Guatemala, Panamá, Antilhas, Colômbia, Venezuela, Belize, Trinidad e Tobago, Guiana, Suriname, Guiana Francesa, Equador, Peru, Brasil e Bolívia (Holst; Luther, 1997; Llamozas et al., 2003; Lorenzi, 2013). No Brasil tem ocorrência confirmada nas regiões Norte (Amazonas, Amapá, Roraima, Pará); Nordeste (Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Sergipe) e Centro-Oeste (Mato Grosso) (Flora do Brasil, 2017).
Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial: Plantas para o Futuro - Região Norte Lidio Coradin; Julcéia Camillo; Ima Célia Guimaráes Viera. Brasília: MMA, 2022. 1454 p ISBN 978-65-88265-16-148
Items per page: