Estamos em processo de atualização e reindexação dos registros de ocorrência. O sistema apresentará flutuações no número de registros.
Qualquer dúvida entrar em contato pelo e-mail atendimento_sibbr@rnp.br.

nó brasileiro do GBIF SiBBr
List name
Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial - Plantas para o Futuro - Região Norte
Owner
sibbr.brasil@gmail.com
List type
Species characters list
Description
O livro, disponibilizado no formato de lista, apresenta mais de 150 espécies nativas da Região Norte com valor econômico atual ou com potencial e que podem ser usadas de forma sustentável na produção de medicamentos, alimentos, aromas, condimentos, corantes, fibras, forragens como gramas e leguminosas, óleos e ornamentos. Entre os exemplos estão fibras que podem ser usadas em automóveis, corantes naturais para a indústria têxtil e alimentícias e fontes riquíssimas de vitaminas. Produzido pelo Ministério do Meio Ambiente o livro contou com a colaboração e o esforço de 147 renomados especialistas de universidades, instituições de pesquisa, empresas e ONGs do Brasil e do exterior. Por meio da disponibilização dessa obra no formato de lista, os usuários podem realizar filtros diversos, obter os registros das espécies disponíveis na plataforma, além de outras informações. Instituição publicadora: Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Biodiversidade. Nome Completo do Responsável: Lidio Coradin, Julcéia Camillo e Ima Célia Guimarães Vieira. – Brasília, DF: MMA, 2022. Licença de uso: Licença de uso público com atribuição sem fins lucrativos (CC-BY-NC) Como citar: CORADIN, Lidio; CAMILLO, Julcéia; VIEIRA, Ima Célia Guimarães (Ed.). Espécies nativas da flora brasileira de valor econômico atual ou potencial: plantas para o futuro: região Norte. Brasília, DF: MMA, 2022. (Série Biodiversidade; 53). 1452p. Disponível em: . Acesso em: dia mês abreviado ano (sem virgula)
URL
https://www.gov.br/mma/pt-br/assuntos/biodiversidade/manejo-euso-sustentavel/flora
Date submitted
2022-08-30
Last Update
2022-08-30
Is private
No
Included in species pages
Yes
Authoritative
No
Invasive
No
Threatened
No
Part of the sensitive data service
No
Region
Not provided
Metadata Link
https://collectory.sibbr.gov.br/collectory/public/show/drt1661896856710

1 Number of Taxa

1 Distinct Species

Refine results

thumbnail species image
Handroanthus serratifolius
Handroanthus serratifolius (Vahl) S.Grose
 
Action Supplied Name Scientific Name (matched) Image Author (matched) Common Name (matched) Familia Nome popular Grupo kingdom Descricão taxonômica Importância ecológica Distribuição Fonte das informações
Handroanthus serratifolius (Vahl) S.Grose Handroanthus serratifolius (Vahl) S.Grose
Bignoniaceae
Ipê-amarelo
Ornamentais
Plantae
Árvores de grande porte com tronco reto e cilíndrico , casca externa escamosa, soltando pequenas placas, interna amarela, marcas de chamas e anéis amarelo claro, compacta com resina incolor e escassa com base sapopema, côncava, baixa e assimétrica (Obermüller et al., 2011). As folhas são opostas e digitadas com folíolos oblongos, ovados a lanceolados, com ápice acuminado e base arredondada a acuneada, apresenta margem em forma de serra (Ferreira, 2004; Carrero et al., 2014). Perde todas as folhas na época de floração e frutificação . As flores são hermafroditas livres ou em tríades, curtamente pedunculadas, dispostas em conjuntos umbeliformes nas pontas dos ramos, de coloração amarelo-ouro, grandes e abundantes. Fruto do tipo cápsula, glabro, linear curvo, sem cálice persistente, desprovido de apículo, com, aproximadamente, 60cm de comprimento, com protuberâncias longitudinais. Sementes aladas, com 2,5-3,5cm de largura (Gentry, 1992), muito numerosas, com formato retangular, laminar, com linha divisória quase negra da base ao ápice, leve e achatada. Produz, anualmente, grande quantidade de sementes viáveis (Rosa, 2008).
A espécie floresce nos meses de agosto a novembro, com a planta totalmente despida da folhagem. Os frutos amadurecem de outubro a dezembro (Lorenzi, 1992). Segundo Carrero et al. (2014), a mudança de coloração dos frutos (de verde para marrom) é indicativo da maturidade dos frutos e do ponto de colheita das sementes. As mudas não toleram temperaturas extremas e o processo de reprodução inicia-se aos três anos de idade, sendo o vento e a abelha mamangava os principais agentes de dispersão do pólen (Mathias, 2014)
Espécie nativa, porém não endêmica do Brasil. Tem ocorrência confirmada nas regiões Norte (Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins), Nordeste (Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe), Centro-Oeste (Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso), Sudeste (Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo) e Sul (Paraná) (Flora do Brasil, 2017; Lohmann, 2020).
Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial: Plantas para o Futuro - Região Norte Lidio Coradin; Julcéia Camillo; Ima Célia Guimaráes Viera. Brasília: MMA, 2022. 1454 p ISBN 978-65-88265-16-149
Items per page: