Estamos em processo de atualização e reindexação dos registros de ocorrência. O sistema apresentará flutuações no número de registros.
Qualquer dúvida entrar em contato pelo e-mail atendimento_sibbr@rnp.br.

nó brasileiro do GBIF SiBBr
List name
Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial - Plantas para o Futuro - Região Norte
Owner
sibbr.brasil@gmail.com
List type
Species characters list
Description
O livro, disponibilizado no formato de lista, apresenta mais de 150 espécies nativas da Região Norte com valor econômico atual ou com potencial e que podem ser usadas de forma sustentável na produção de medicamentos, alimentos, aromas, condimentos, corantes, fibras, forragens como gramas e leguminosas, óleos e ornamentos. Entre os exemplos estão fibras que podem ser usadas em automóveis, corantes naturais para a indústria têxtil e alimentícias e fontes riquíssimas de vitaminas. Produzido pelo Ministério do Meio Ambiente o livro contou com a colaboração e o esforço de 147 renomados especialistas de universidades, instituições de pesquisa, empresas e ONGs do Brasil e do exterior. Por meio da disponibilização dessa obra no formato de lista, os usuários podem realizar filtros diversos, obter os registros das espécies disponíveis na plataforma, além de outras informações. Instituição publicadora: Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Biodiversidade. Nome Completo do Responsável: Lidio Coradin, Julcéia Camillo e Ima Célia Guimarães Vieira. – Brasília, DF: MMA, 2022. Licença de uso: Licença de uso público com atribuição sem fins lucrativos (CC-BY-NC) Como citar: CORADIN, Lidio; CAMILLO, Julcéia; VIEIRA, Ima Célia Guimarães (Ed.). Espécies nativas da flora brasileira de valor econômico atual ou potencial: plantas para o futuro: região Norte. Brasília, DF: MMA, 2022. (Série Biodiversidade; 53). 1452p. Disponível em: . Acesso em: dia mês abreviado ano (sem virgula)
URL
https://www.gov.br/mma/pt-br/assuntos/biodiversidade/manejo-euso-sustentavel/flora
Date submitted
2022-08-30
Last Update
2022-08-30
Is private
No
Included in species pages
Yes
Authoritative
No
Invasive
No
Threatened
No
Part of the sensitive data service
No
Region
Not provided
Metadata Link
https://collectory.sibbr.gov.br/collectory/public/show/drt1661896856710
thumbnail species image
Ananas ananassoides
Ananas ananassoides (Baker) L.B.Sm.
 
thumbnail species image
Andira inermis
Andira inermis (W.Wright) DC.
 
thumbnail species image
Anthurium gracile
Anthurium gracile (Rudge) Lindl.
 
thumbnail species image
Arachis repens
Arachis repens Handro
 
thumbnail species image
Calliandra surinamensis
Calliandra surinamensis Benth.
 
thumbnail species image
Cattleya wallisii
Cattleya wallisii (Linden) Linden ex Rchb.f.
 
thumbnail species image
Cenostigma tocantinum
Cenostigma tocantinum Ducke
 
thumbnail species image
Copaifera martii
Copaifera martii Hayne
 
thumbnail species image
Euterpe oleracea
Euterpe oleracea Mart.
Açai
 
thumbnail species image
Guzmania lingulata
Guzmania lingulata (L.) Mez
 
Action Supplied Name Scientific Name (matched) Image Author (matched) Common Name (matched) Familia Nome popular Grupo kingdom Descricão taxonômica Importância ecológica Distribuição Fonte das informações
Ananas ananassoides (Baker) L.B.Sm. Ananas ananassoides (Baker) L.B.Sm.
Bromeliaceae
Abacaxi-ornamental
Ornamentais
Plantae
Planta terrícola, com aproximadamente 55cm de altura. Roseta não formando cisterna. Folhas coriáceas, patentes com ápice recurvado; bainha com 9×3,5cm, estreito-oblonga, margem aculeada na porção distal; lâmina com 100×2,5cm, linear, ápice atenuado, margem aculeada. Inflorescência simples, congesta; pedúnculo com 40cm de comprimento, lepidoto; brácteas do pedúnculo róseas, maiores que os entrenós, semelhantes às lâminas foliares, 11-53×1-1,3cm, patentes, lanceoladas a elípticas, ápice atenuado, margem aculeada, lepidotas; brácteas de primeira ordem muito reduzidas, semelhantes as brácteas florais; brácteas florais 1-1,4×0,4-0,6cm, lanceoladas, ápice atenuado, margem aculeada, lepidotas. Flores polísticas, sésseis; sépalas 3-4×0,5-0,7cm, assimétricas, largo-ovais, conatas na base, ápice emarginado, densamente alvo-lanuginosas; pétalas 1,1-1,3×0,3-0,4cm, eretas, cuculadas, alvas com ápice lilás; estames inclusos, aproximadamente 1cm de comprimento, alvo-amarelados; estigma incluso, 2mm de comprimento; estilete com 1cm de comprimento; ovário 5mm de comprimento, glabro. Infrutescência 4-4,6cm de comprimento , amarelo-esverdeada.
As flores de A. ananassoides possuem pétalas firmemente sobrepostas formando um tubo de cerca de 20mm de comprimento, desde o ápice da corola até a região onde ocorre acúmulo de néctar. A abertura floral inicia entre 03:30h e 04:00h e finaliza por volta das 06:00h, quando os lobos da corola se encontram completamente curvados para fora. A antese tem duração de, aproximadamente, 12 horas e, no final do dia, por volta das 17:00h, os ápices apresentam-se torcidos no centro da corola, impossibilitando completamente o acesso ao interior do tubo. A. ananassoides tem ampla guilda de visitantes florais, incluindo representantes de diversos grupos, tais como Hymenoptera, Lepidoptera e Trochilidae, indicando que esta espécie é uma importante fonte de recurso para a fauna associada. Moscas e formigas podem ser encontradas sobre as inflorescências em todos os períodos do dia, e acredita-se que sejam atraídas pelo odor adocicado liberado pela planta e que se alimentem de secreções líquidas e gelatinosas observadas na superfície da inflorescência. Abelhas pequenas(Trigona spinipes e Plebeia droryana) também são visitantes florais de A. ananassoides, desde o amanhecer até o entardecer, sendo especialmente frequentes nos períodos mais quentes do dia. Além disso, beija-flores (Phaethornis pretrei e Chlorostilbon aureoventris) foram identificados como polinizadores legítimos (Barbosa-Filho; Araújo, 2007).
Esta espécie é nativa do Brasil, mas não endêmica. É amplamente cultivada nos trópicos, com ocorrência confirmada nas regiões Norte (Amazonas, Amapá, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins), Nordeste (Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí), Centro-Oeste (Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso), Sudeste (Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo) e Sul (Paraná, Santa Catarina) (Flora do Brasil, 2017; Monteiro, 2020).
Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial: Plantas para o Futuro - Região Norte Lidio Coradin; Julcéia Camillo; Ima Célia Guimaráes Viera. Brasília: MMA, 2022. 1454 p ISBN 978-65-88265-16-139
Andira inermis (W.Wright) DC Andira inermis (W.Wright) DC.
Fabaceae
Morcegueira
Ornamentais
Plantae
Árvore com até 25m de altura, tronco reto, com ramos horizontais ou ascendentes e a copa arredondada e densa . Casca externa escamosa, cinza a pardo escuro; interna de cor creme-pardo a pardo, laminada; com cerca de 10mm de espessura. Folhas com gemas de até 6 mm, ovoides, cobertas por várias estípulas, pardo escuras ou ferruginosas, densamente pubescentes. Estípulas 2, de 3 a 5mm, lanceoladas, agudas, pubescentes, caducas. Folhas dispostas em espiral, imparipinadas, de 15 a 20cm de comprimento, incluindo o pecíolo; compostas de 11 a 13 folíolos opostos ou alternos, com um par de estípulas caducas entre cada par de folíolos, de 3x1,2 a 7,5x2,5cm, oblongos ou elípticos com a margem inteira, ápice agudo ou acuminado, base arredondada ou truncada, verde-escuros e brilhantes na face adaxial e verde-amarelados na abaxial, glabros em ambas as superfícies; ráquis com escassa pubescência; pecíolos pulvinados; peciólulos de 3 a 5mm; glabros ou com escassa pubescência, pulvinados.
Andira inermis é polinizada principalmente por morcegos (origem do nome popular morcegueira), mas também pode ser polinizada por abelhas. A floração ocorre entre fevereiro e abril (Frankie, 1975) e os frutos amadurecem a partir de meados de maio até o final de junho (Janzen et al., 1976). O fruto de morcegueira, uma vez que cai da árvore, pode ser disperso por pequenos roedores, formigas e insetos. Além disso, os espécimes que ocorrem em beira de rios podem ter suas sementes dispersas pela água (Pennington; Lima, 1995).
Andira inermis é considerada endêmica do Brasil, onde ocorre nas regiões Norte (Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Rondônia), Nordeste (Maranhão), Centro-Oeste (Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso), Sudeste (Minas Gerais) e Sul (Paraná, Santa Catarina) (Flora do Brasil, 2017)
Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial: Plantas para o Futuro - Região Norte Lidio Coradin; Julcéia Camillo; Ima Célia Guimaráes Viera. Brasília: MMA, 2022. 1454 p ISBN 978-65-88265-16-140
Anthurium gracile (Rudge) Lindl. Anthurium gracile (Rudge) Lindl.
Araceae
Antúrio
Ornamentais
Plantae
Epífita , com entrenós entre 0,4-3,5cm de comprimento; catafilos na cor marrom, persistentes e decompostos em fibras com, aproximadamente, 1,2-5,8cm de comprimento. Folha com pecíolo medindo 0,7-7,8cm de comprimento; geniculo com 0,15-0,6cm de comprimento; lâmina foliar levemente cartácea com 2,6-18,2 x 1,1-8,9cm; elíptica; ápice e base agudos com presença de glândulas nas faces abaxial e adaxial; nervuras secundárias de 8-12 pares; nervura coletora 0,15-1,2cm afastada da margem; inflorescência com pedúnculo medindo 1,4-5,8cm de comprimento; espata esverdeada com 0,6-2 x 0,1-0,4cm; margens formando um ângulo agudo na junção com o pedúnculo; espádice creme, amarelado a esverdeado com 0,7-3,3cm; séssil a estipitado; estipe quando presente medindo 0,2cm de comprimento. Infrutescência até 4,8cm de comprimento; fruto alvo, branco-esverdeado, rosado, branco-arroxeado e violáceo (Flora do Brasil, 2017).
Adaptada a temperaturas entre 20 a 28ºC. Não suporta temperaturas muito superiores. A experiência dos colecionadores desta espécie aponta que condições de temperaturas amenas, associadas à pouca incidência de luz (40 a 50%) e alta umidade, formam as condições ideais para o cultivo desta espécie. Também é recomendado o uso de esfagno na base da planta, para manter a umidade.
Espécie nativa, porém não endêmica do Brasil, com ocorrência desde a Guatemala, Costa Rica, Panamá, Guianas, estendendo-se até o Peru (Silva, 2007). No Brasil ocorre nas regiões Norte (Acre, Amazonas, Amapá, Pará e Roraima), Nordeste (Bahia, Paraíba, Pernambuco e Sergipe) e Centro-Oeste (Mato Grosso) (Flora do Brasil, 2017)
Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial: Plantas para o Futuro - Região Norte Lidio Coradin; Julcéia Camillo; Ima Célia Guimaráes Viera. Brasília: MMA, 2022. 1454 p ISBN 978-65-88265-16-141
Arachis repens Handro Arachis repens Handro
Fabaceae
Grama-amendoim
Ornamentais
Plantae
Planta herbácea, perene (Fisher; Cruz, 1994), alcançando até 20cm de altura , de crescimento rasteiro, estolonífero e raiz pivotante. Geralmente lançam densas quantidades de estolões ramificados, que se enraízam até 1,5m horizontalmente em todas as direções (Nascimento, 2006). As folhas são alternas, quadrifoliadas e seus folíolos possuem forma elíptica a ovalada, medindo 20-35mm de comprimento por 8-12mm de largura. Os folíolos apresentam a face superior glabra (lisa) e a face inferior com tricomas muito curtos (Saraiva, 2010). As inflorescências são axilares e cobertas pela base das estípulas. As flores são amarelas, com 8-13mm de comprimento e 16-17mm de largura, com asas e quilhas amarelas (Krapovickas; Gregory, 1994).
Em condições de sombreamento ou em determinada fase do crescimento, quando atinge o índice de área foliar crítico, apresenta crescimento mais vertical com maior alongamento do caule e menor densidade de folhas (Lima et al., 2003). Nestas condições, as plantas buscam por mais luminosidade, o que resulta em reduções no tamanho das folhas e espaçamento de entrenós, com vistas a uma maior proteção dos pontos de crescimento, garantindo maior persistência (Nascimento, 2006). Possui flores de cor amarela, sendo esta floração indeterminada (sem resposta ao fotoperíodo), permitindo que as plantas floresçam várias vezes durante o ano. A floração começa três a quatro semanas após a emergência das plantas, mas, inicialmente, pouco férteis. Floração mais intensa ocorre durante o período chuvoso, em resposta ao corte ou à elevação da umidade do solo após o período seco (Cook et al., 1990; Argel; Villarreal, 1998). Apresenta flor papilionácea, que se autopoliniza, (hermafrodita), mas também pode apresentar polinização cruzada, sendo polinizada por diversas espécies de abelhas (Nascimento, 2006).
A espécie é endêmica do Brasil, ocorrendo nas regiões Norte (Acre, Amazonas, Pará, Rondônia), Nordeste (Alagoas, Bahia, Pernambuco), Centro-Oeste (Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso), Sudeste (Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo) e Sul (Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina) (Flora do Brasil, 2017; 2020)
Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial: Plantas para o Futuro - Região Norte Lidio Coradin; Julcéia Camillo; Ima Célia Guimaráes Viera. Brasília: MMA, 2022. 1454 p ISBN 978-65-88265-16-142
Calliandra surinamensis Benth. Calliandra surinamensis Benth.
Fabaceae
Balão-chinês
Ornamentais
Plantae
Arbusto, com até cerca de 4m de altura . Ramos cilíndricos, lenhosos, fissurados, ligeiramente pilosos. Estípulas 3-11mm de comprimento, 1-2,7mm de largura, lanceoladas, ovada-triangular, rígidas, estriadas, pubescentes, persistentes. Pecíolos 2-9mm de comprimento, 0,5-1,3mm de diâmetro, cilíndricos a levemente canaliculados, pubescentes. Folhas bipinadas, unijugadas; pina com 3-8,5cm de comprimento; foliólulos 8-19 pares por pina, 8,5-25mm de comprimento, 2-14mm de largura, decrescentes, sésseis, subcoriáceos, glabros em ambas as faces ou levemente pubescentes na face abaxial, lanceolado-oblongos, oblongos a rombóide-oblongos, ápice agudo, obtuso ou obtuso-apiculado, base auriculada ou subcordada; nervuras primárias 3-4 pares arqueados ascendentes, venação palmada-pinada. Fruto tipo legume , 1-3 por infrutescência, 45-70mm de comprimento, 7,5-11mm de largura e 0,5-2,0mm de espessura, deiscência elástica, curtamente apiculado, estipitado, coriáceo, oblanceolado,plano ou levemente dilatado ao redor das sementes, castanho, rugoso, com nervuras oblíquas ao longo de seu comprimento, brilhante, glabro, ápice agudo, base atenuada, margem espessa e linear (Barneby, 1998).
A espécie pode ser cultivada tanto na sombra quanto a pleno sol, em solos argilosos, arenosos, levemente alcalinos ou ácidos, bem drenados. É tolerante à seca. Com o crescimento rápido em solos arenosos e de pleno sol, esta planta responde favoravelmente a rega regular, e não exige cuidados especiais; uma vez estabelecida, necessita apenas podas ocasionais, quando se deseja mantê-la dentro do limite ou com um formato especial. A espécie se adapta bem ao inverno (Gilman; Watson, 1993) e, até o presente, não tem sido relatado grandes problemas com pragas e doenças. Nas condições do estado do Amazonas floresce e frutifica nos meses de abril, novembro e dezembro (Bonadeu; Santos, 2013).
Espécie nativa, mas não endêmica do Brasil, com ocorrência registrada na Colômbia, Venezuela, Guianas, Suriname, Equador, Peru e Brasil (Barneby, 1998). No Brasil, tem ocorrência restrita à Região Norte (Acre, Amazonas, Pará) (Flora do Brasil, 2017)
Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial: Plantas para o Futuro - Região Norte Lidio Coradin; Julcéia Camillo; Ima Célia Guimaráes Viera. Brasília: MMA, 2022. 1454 p ISBN 978-65-88265-16-143
Cattleya wallisii (Linden) Linden ex Rchb.f. Cattleya wallisii (Linden) Linden ex Rchb.f.
Orchidaceae
Catleia
Ornamentais
Plantae
Planta epífita , unifoliada, com folhas coriáceo-carnosas, oblongas e verdes. Sua inflorescência é simples , racemosa, ereta e pauciflora, inserida no ápice do pseudobulbo. Apresenta sépalas laterais falcadas e uma sépala dorsal, oblonga acuminada. As duas pétalas são ovadas e apiculadas no ápice; o labelo é membranáceo, séssil e trilobado. A coluna é branca, raras vezes de tons violáceos; o polinário apresenta dois pares de políneas amarelas e ceróides e um nectário tubular ao lado do ovário. As flores duram em média de seis a dez dias. O fruto é uma cápsula e contêm milhares de sementes muito pequenas e amarelas em seu interior, que se abre nove ou dez meses depois da fecundação, liberando as sementes.
A planta apresenta crescimento simpodial, ou seja, seu caule cessa o crescimento em uma determinada estação do ano e novos brotos surgem de gemas axilares, que crescem até a maturidade, produzindo raízes ao longo do rizoma. Storti (2007), estudando a biologia reprodutiva de C. wallisii em uma Reserva Biológica em Manaus, observou que seu principal forófito é Aldina heterophylla e seu principal polinizador é a abelha Eulaema mocsaryi. A floração ocorre de outubro a março e suas inflorescências apresentam, em média, duas flores que duram de seis a dez dias.
Ocorre em uma área relativamente pequena da Amazônia, na Venezuela e no Brasil, onde, ocorre apenas nos estados do Amazonas e Pará (Braga, 1982; Flora do Brasil, 2017). No estado do Amazonas, a espécie está restrita à parte central, no entorno de Manaus, nos dois lados do Rio Negro, até a divisa dos estados do Amazonas e Roraima (Lacerda, 1995).
Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial: Plantas para o Futuro - Região Norte Lidio Coradin; Julcéia Camillo; Ima Célia Guimaráes Viera. Brasília: MMA, 2022. 1454 p ISBN 978-65-88265-16-144
Cenostigma tocantinum Ducke. Cenostigma tocantinum Ducke
Fabaceae
Pau-preto
Ornamentais
Plantae
Árvores, de 8 a 35m de altura, com copa densa , tronco torcido ou tortuoso, com ranhuras longitudinais profundas, mais ou menos irregulares, e casca marrom. Galho imaturo marrom cinzento, com nervuras, lenticelas e superfície muitas vezes descascando, tornando-se brilhante e glabro na maturidade. Estípulas lanceoladas, 3 a 5mm de comprimento, tomentosa fina, com cerdas estreladas na margem (Warwick; Lewis, 2009). Folhas paripinadas, com eixo comum (raque + pecíolo) de 8 a 12cm de comprimento. Folíolos em número de seis a dez, cartáceos, brilhantes na face superior, glabros em ambas as faces, de tamanho bastante variável (3 a 10cm de comprimento), sobre pecíolo de 1 a 3mm de comprimento. Inflorescência em racemos terminais, simples, ferrugíneo-pubescentes, de 5 a 8cm de comprimento, com flores amarelas . Fruto legume, deiscente, glabro, contendo 3 a 7 sementes (Lorenzi, 2002).
É uma espécie florestal perenifólia, heliófila ou de luz difusa, seletiva higrófita e secundária. As árvores de Cenostigma tocantinum florescem o ano todo, com maior frequência no período menos chuvoso. As sementes são produzidas em grande quantidade no período seco e, por serem ortodoxas, podem ser armazenadas, permanecendo viáveis com baixo teor de umidade (Silva, 2007; Garcia et al., 2008). Segundo Sousa et al. (2008), quando a espécie é plantada em ambientes com as condições mínimas de estabelecimento e recebe os tratos silviculturais recomendados, a exemplo das podas, a árvore pode expressar melhor sua capacidade de desenvolvimento e oferecer os benefícios que se espera na arborização urbana.
A espécie é endêmica do Brasil, com ocorrência restrita à Região Norte , estados do Pará e Tocantins (Warwick; Lewis, 2009; Flora do Brasil, 2017).
Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial: Plantas para o Futuro - Região Norte Lidio Coradin; Julcéia Camillo; Ima Célia Guimaráes Viera. Brasília: MMA, 2022. 1454 p ISBN 978-65-88265-16-145
Copaifera martii Hayne. Copaifera martii Hayne
Fabaceae
Copaíba
Ornamentais
Plantae
Arbusto ou árvore, com 2-40m de altura ; ritidoma estriado, cinza avermelhado a cinza-acastanhado. Folhas com 3-4 pares de folíolos, pecíolo e raque glabrescente, estípulas interpeciolares caducas. Folíolos opostos, coriáceos, oblongo-ovados, oblongo-elípticos, orbiculares, retos a subfalcados, assimétricos, base obtusa subequilátera, ápice arredondado ou acuminado, raramente apiculado, faces adaxial e abaxial glabras, margens semi-revolutas na região basal; nervura central adaxial impressa, glabra, abaxial glabra ou glabrescente; venação congesta (média 16,8 aréolas/mm2), inconspícua adaxial; pontuações translúcidas quase sempre ausentes; peciólulos glabros ou glabrescentes. Inflorescências com 7-15cm de comprimento, face abaxial glabrescente, face adaxial glabra, tricomas nas margens. Flores sésseis, sépalas externamente glabras ou glabrescentes, podendo apresentar raros tricomas na base e no ápice, ovário oblongo-elípitico a suborbicular, estipitado, hirsuto na base, margens e ápices. Frutos suborbiculares, raramente oblíquos, comprimidos lateralmente, estipitado, base arredondada, ápice arredondado, semente 1(2) oblongo-globosa, arilo branco (Martins-da-Silva et al., 2006; 2008)
A floração e a frutificação se iniciam a partir dos cinco anos de idade e se concentram nos meses de junho a outubro, com variações dependendo do clima da região (Veiga-Júnior; Pinto, 2001). Copaifera martii, quando ocorre em área de mata fechada pode atingir até 40m de altura ou mais, os folíolos são menos coriáceos do que quando se desenvolvem em ambientes mais abertos, como os campos ou asareias de ambientes costeiros e, até mesmo, as capoeiras. Entretanto, o brilho dos folíolos está, provavelmente, ligado à fase de maturação desses órgãos que, quando mais jovens, são mais brilhantes (Martins-da-Silva et al.,2006).
Planta nativa mas não endêmica do Brasil, com ocorrência confirmada nas regiões Norte (Amazonas, Pará, Tocantins) e Nordeste (Ceará, Maranhão e Piauí) (Costa, 2017).
Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial: Plantas para o Futuro - Região Norte Lidio Coradin; Julcéia Camillo; Ima Célia Guimaráes Viera. Brasília: MMA, 2022. 1454 p ISBN 978-65-88265-16-146
Euterpe oleracea Mart Euterpe oleracea Mart. Açai
Arecaceae
Açaizeiro
Ornamentais
Plantae
Palmeira cespitosa , com até 25 perfilhos, caule tipo estipe, com até 20m de altura e diâmetro de 8-18cm; capitel foliar no ápice das plantas com até 14 folhas. Folhas pinadas, 2,8m de comprimento, 40 a 80 pares de folíolos distribuídos de forma oposta ou sub-opostas. Folíolos pendentes, 20-50cm de comprimento por 2x3cm de largura, com nervura central, proeminente na face adaxial e mais dois conjuntos com duas ou três nervuras, proeminentes na face abaxial, que se encontram uniformemente distribuídos no plano divisório da nervura central (Henderson; Galeano, 1996). Inflorescências intrafoliares, em disposição quase horizontal; pedúnculo com 5-15cm de comprimento e diâmetro de 2,7-4,0cm, envolto por duas brácteas: uma espatela ligular e uma espata de formato navicular e de consistência cartáceo-coriácea. Após a abertura da espata, a espatela cai, concomitantemente, com esta ou um pouco antes, expondo a inflorescência propriamente dita, do tipo cacho, contendo número variável de ráquilas, com flores estaminadas e pistiladas inseridas em alvéolos. A disposição das flores é ordenada em tríades, de tal forma que cada flor feminina fica ladeada por duas flores masculinas, com exceção do terço terminal de cada ráquilas, que apresenta, na maioria dos casos, somente flores masculinas, proporcionando a presença de 80,5 % de flores masculinas e apenas 19,5% de flores femininas na inflorescência (Henderson; Galeano, 1996; Cavalcante, 2010). O fruto é uma drupa globosa e levemente depressa, apresentando resíduo do estigma lateralmente, com diâmetro variando entre 1-2cm e pesando, em média, 1,5g
O açaizeiro é planta típica de regiões de várzeas amazônicas, onde ocorrem oscilações diárias de marés, com a elevação do nível de água nestes solos, proporcionando, consequentemente, uma condição de anoxia do solo. Para sobreviver nestes locais o açaizeiro desenvolveu, ao longo do tempo, estruturas morfológicas e anatômicas, tais como: raízes que emergem do estipe acima da superfície do solo, presença de lenticelas (Anderson, 1986) e de aerênquimas nas raízes. Além disso, a espécie dispõe de estratégias fisiológicas que permitem manter as sementes viáveis e as plântulas vivas, mesmo em condição de anoxia total, por até 20 e 16 dias, respectivamente, de tal forma que, quando o suprimento de oxigênio se torna adequado, as sementes germinam e as plântulas retomam seu crescimento (Menezes- -Neto, 1994). Diante destas particularidades, observa-se a formação de uma floresta oligárquica, tendo como espécie dominante o açaizeiro (Prance, 1994), pois existe um reduzido número de espécies arbóreas que dispõem de mecanismos adaptativos para sobreviverem em solos com baixa tensão de oxigênio (Anderson, 1986). É uma espécie sazonal, que concentra a sua fase de floração no primeiro semestre do ano, devido à elevada pluviometria, chamado de inverno amazônico, com umidade relativa superior a 90%. Já a frutificação e a colheita dos frutos se concentram no segundo semestre, durante o verão amazônico, caracterizado por uma menor precipitação pluviométrica e temperaturas elevadas onde a média das temperaturas máximas pode chegar a 36oC e a umidade relativa mais baixa ficando em torno de 60%.
: Espécie nativa, mas não endêmica do Brasil, ocorrendo também na Guiana Francesa, Suriname, Venezuela, Panamá, Equador e Trinidad. No Brasil, de acordo com Mapa 1, ocorre nas regiões Norte (Amapá, Pará, Tocantins), Nordeste (Maranhão) (Flora do Brasil, 2017; Vianna, 2020).
Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial: Plantas para o Futuro - Região Norte Lidio Coradin; Julcéia Camillo; Ima Célia Guimaráes Viera. Brasília: MMA, 2022. 1454 p ISBN 978-65-88265-16-147
Guzmania lingulata (L.) Mez Guzmania lingulata (L.) Mez
Bromeliaceae
Estrela-escarlate
Ornamentais
Plantae
Bromélia terrestre ou epífita, herbácea, acaulescente, 20-30cm de altura, perene . Folhas numerosas, largas, textura coriácea, de 25- 50cm comprimento, 15-30cm de largura, formato linear e liguladas, dispostas em densa roseta. Bractéolas eretas, densamente imbricadas, a inferior foliácea, a superior lanceolada, verde ou vermelha, formando um invólucro cupuliforme abaixo da inflorescência. Inflorescência apical, simples, densamente florida, 10-50 flores, corimbiforme, 7cm largura, com uma substância mucilaginosa em seu interior; inflorescência formada por brácteas verdes ou vermelhas , de formato lanceolado, linear, ou acuminada-aguda, mais longas que as sépalas; as brácteas superiores são vermelhas e expandidas, envolvendo as flores tubulares brancas presentes em um longo escapo floral (Reitz, 1983). Flores andróginas, pediceladas; sépalas livres, lineares, obtuso-arredondadas, 1,5-2cm comprimento, glaras; corola branca, lineares, lóbulos obtuso-arredondados; estames adnados as pétalas; ovário elipsoide. Cápsula oblongo-elipsóide ou subelipsóide, 2,8-3,5cm comprimento, 3cm de largura. Sementes de cor marrom-avermelhado (Llamozas et al., 2003; Cedeño-Maldonado, 2005).
Cultivada principalmente em vasos preenchidos com extrato leve e permeável a base de fibras de coco e húmus, mantidos em locais abrigados com luz indireta ou difusa (Lorenzi, 1999; 2013). Deve receber água em abundância, porém o substrato precisa ser bem drenado para não encharcar, a fim de permitir que o ar alcance as raízes, uma vez que estas precisam de ar úmido para se desenvolver. Durante o verão a planta deve ser mantida com água em seu centro e, no inverno, deve ser mantida mais seca e com um pouco de fertilizante diluído na água (Mobot, 2009). São registradas três variedades naturais na espécie: Guzmania lingulata (L.) Mez var. lingulata, Guzmania lingulata var. minor (Mez) L.B.Sm. & Pittendr., Guzmania lingulata var. splendens (G.Planch.) Mez, com diferenças na coloração e formato das folhas (Flora do Brasil, 2017). De acordo com Siqueira-Filho (2003), a espécie não apresenta uma cor predominante nas flores, mas um conjunto representado pelo vermelho e amarelo nas brácteas florais ou na inflorescência, aumentando a sinalização para os polinizadores, principalmente beija-flores, confirmando a predominância do vermelho em plantas ornitófilas.
Guzmania lingulata é originária da América tropical, com distribuição na Guatemala, Panamá, Antilhas, Colômbia, Venezuela, Belize, Trinidad e Tobago, Guiana, Suriname, Guiana Francesa, Equador, Peru, Brasil e Bolívia (Holst; Luther, 1997; Llamozas et al., 2003; Lorenzi, 2013). No Brasil tem ocorrência confirmada nas regiões Norte (Amazonas, Amapá, Roraima, Pará); Nordeste (Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Sergipe) e Centro-Oeste (Mato Grosso) (Flora do Brasil, 2017).
Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial: Plantas para o Futuro - Região Norte Lidio Coradin; Julcéia Camillo; Ima Célia Guimaráes Viera. Brasília: MMA, 2022. 1454 p ISBN 978-65-88265-16-148
Items per page: