nó brasileiro do GBIF SiBBr
List name
Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial - Plantas para o Futuro - Região Norte, MMA 2022
Owner
sibbr.brasil@gmail.com
List type
Species characters list
Description
O livro, disponibilizado no formato de lista, apresenta mais de 150 espécies nativas da Região Norte com valor econômico atual ou com potencial e que podem ser usadas de forma sustentável na produção de medicamentos, alimentos, aromas, condimentos, corantes, fibras, forragens como gramas e leguminosas, óleos e ornamentos. Entre os exemplos estão fibras que podem ser usadas em automóveis, corantes naturais para a indústria têxtil e alimentícias e fontes riquíssimas de vitaminas. Produzido pelo Ministério do Meio Ambiente o livro contou com a colaboração e o esforço de 147 renomados especialistas de universidades, instituições de pesquisa, empresas e ONGs do Brasil e do exterior. Por meio da disponibilização dessa obra no formato de lista, os usuários podem realizar filtros diversos, obter os registros das espécies disponíveis na plataforma, além de outras informações. Instituição publicadora: Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Biodiversidade. Nome Completo do Responsável: Lidio Coradin, Julcéia Camillo e Ima Célia Guimarães Vieira. – Brasília, DF: MMA, 2022. Licença de uso: Licença de uso público com atribuição sem fins lucrativos (CC-BY-NC) Como citar: CORADIN, Lidio; CAMILLO, Julcéia; VIEIRA, Ima Célia Guimarães (Ed.). Espécies nativas da flora brasileira de valor econômico atual ou potencial: plantas para o futuro: região Norte. Brasília, DF: MMA, 2022. (Série Biodiversidade; 53). 1452p. Disponível em: . Acesso em: dia mês abreviado ano (sem virgula)
URL
https://www.gov.br/mma/pt-br/assuntos/biodiversidade/manejo-euso-sustentavel/flora
Date submitted
2022-08-30
Last Update
2023-09-28
Is private
No
Included in species pages
Yes
Authoritative
No
Invasive
No
Threatened
No
Part of the sensitive data service
No
Region
Região Norte
Metadata Link
http://collectory:8080/collectory/public/show/drt1661896856710
thumbnail species image
Hyptis crenata
Hyptis crenata Pohl ex Benth.
 
thumbnail species image
Lippia origanoides
Lippia origanoides Kunth
 
Action Supplied Name Scientific Name (matched) Image Author (matched) Common Name (matched) Familia Nome popular Grupo kingdom Descricão taxonômica Importância ecológica Distribuição Fonte das informações
Hyptis crenata Pohl ex Benth Hyptis crenata Pohl ex Benth.
Lamiaceae
Salva-do-marajó
Aromáticas
Plantae
Arbusto, subarbusto ou erva ereta, haste suculenta, pilosa; folhas oposto-decussadas, coriáceas, sésseis, elípticas, ápice agudo ou arredondado, base arredondada ou cordiforme, margem serreada; inflorescências axilares, dispostas em capítulos pedunculados, com brácteas lanceoladas, acuminadas; flores com cálice tubuloso ; corola com tubo infundibuliforme, androceu com estames esbranquiçados e anteras unitecas (Di Stasi; Hiruma-Lima, 2002; Van den Berg, 2010).
Um estudo sobre a fenologia de H. crenata na Amazônia mostrou que sua floração ocorre durante o ano inteiro, com maior incidência nos meses de setembro a novembro, enquanto sua frutificação ocorre no período de setembro a abril, com maior incidência em janeiro (Neves et al., 2004). No domínio do Cerrado, a espécie frutifica no período de agosto a outubro, na metade e no final da estação seca, quando as queimadas ocorrem mais frequentemente. H. crenata não é resistênte ao fogo, por isso é dependente de dispersores de sementes (Fichino et al., 2016). A polinização da espécie ocorre principalmente por abelhas e seu néctar é uma fonte para a produção de mel (Silva et al., 2012). Devido ao seu crescimento rápido e facilidade de propagação, em alguns locais é considerada planta invasora, especialmente, em área de cultivo de arroz e melancia (Erasmo et al., 2004).
Espécie nativa, não endêmica do Brasil, com ocorrência confirmada também na Bolívia. No Brasil ocorre, nas regiões Norte (Amazonas, Amapá, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins), Nordeste (Bahia, Maranhão, Piauí); Centro-Oeste (Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso) e Sudeste (Minas Gerais) (Flora do Brasil, 2018; Tropicos, 2018; Antar; Harley, 2020).
Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial: Plantas para o Futuro - Região Norte Lidio Coradin; Julcéia Camillo; Ima Célia Guimaráes Viera. Brasília: MMA, 2022. 1454 p ISBN 978-65-88265-16-55
Lippia origanoides Kunth Lippia origanoides Kunth
Verbenaceae
Salva-do-marajó
Condimentares
Plantae
Arbusto medindo entre 0,8-3,0 metros de altura, caules, em geral densamente estrigoso, raramente hispido ou ligeiramente estrigoso, entrenós (1-)2-9cm de comprimento. Folhas geralmente opostas, às vezes trifoliadas; pecíolos com 0,1-2,4cm de comprimento, folhas raramente sésseis, pubescência estrigosa raramente hispida; lâminas 0,5-6,1x0,3-3,5cm, elípticas ou ovadas, cuneadas na base ou raramente arredondadas, ápice agudo raramente obtuso, margem crenada, venação pinada acrodrodoma raramente perfeito, superfície adaxial estrigosa e superfície abaxial sericea. Inflorescências frondosas, (dois) 3-6 florescências por axila, pedúnculos 0,2-2,6cm de comprimento, estrigosos, raramente hispidos, inflorescência (0,3-)0,4-1,2(-1,5)cm de comprimento, brácteas 0,2-0,5cm de comprimento; ápice curvo ou reto; brácteas apicais livres; superfície abaxial ligeiramente estrigosa apenas na base e sobre a veia central, raramente superfície pubescente, superfície adaxial estrigosa. Cálice 0,1-0,2cm de comprimento, superfície externa estrigosa. Corola 0,2-0,6cm de comprimento, superfície externa ligeiramente estrigosa. Sementes 0,1-0,2cm de comprimento (Vieira et al., 2016).
Souza et al. (2007) avaliaram a influência do sombreamento na produção de fitomassa e óleo essencial de L. origanoides. Os resultados indicaram que o crescimento da espécie e a produção de óleo essencial são favorecidos sob luz plena, embora as plantas suportem sombreamento parcial sem comprometimento da produção de fitomassa.
Espécie nativa, não endêmica do Brasil, com ocorrência em alguns países da América Central (México, Guatemala e Cuba) e na América do Sul (Guiana, Venezuela, Brasil, Chile e Colômbia) (Suárez et al., 2008; Vicuña et al., 2010; Betancur-Galvis et al., 2011; Ribeiro et al., 2014). No Brasil, L. origanoides tem ocorrências confirmadas nas regiões Norte (Amazonas, Pará, Roraima, Tocantins), Nordeste (Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Piauí, Sergipe), Centro-Oeste (Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso), Sudeste (Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo) e Sul (Paraná) (Flora do Brasil, 2018; Salimena; Cardoso, 2020).
Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial: Plantas para o Futuro - Região Norte Lidio Coradin; Julcéia Camillo; Ima Célia Guimaráes Viera. Brasília: MMA, 2022. 1454 p ISBN 978-65-88265-16-67
Items per page: